domingo, 21 de fevereiro de 2010

De volta para o inferno.

Os rostos já estão apagados da minha memória, e isso não aconteceu apenas porque o tempo passou e eu não os vi; não, eu mesma desejei com todas as minhas forças apagá-los. Cansei de tantos sorrisos falsos e histórinhas mau contadas, cansei das lições mau ensinadas de 'como ser um bom colega', e cansei mais ainda de finjir que eu me importo. Não me importo,não mesmo. Os trinta rostos que eu conheci a dois anos atrás, são apenas rostos que ao longo do tempo eu não quero lembrar; são apenas trinta pessoas que não serviram para nada em minha vida a não ser me ensinar um pouco de auto-destruição, principalmente moral.
São muitos sorrisos forçados, muitos abraços sem vida, muitos olhares invejosos, e muitas promessas que jamais serão cumpridas. Pra sempre, meus 'amigos', pra sempre o cacete! Vocês dizem isso o ano todo e quando chega no final, passam dois meses sem dar as caras. Irônico, como quando as provas começam a chegar todo mundo começa a mudar, e a me olhar diferente, e a ser tão companheiro. Pois é, vocês continuaram e eu fiquei pra trás. O mundo não tem caráter, foi o que a professora disse, e realmente, não tem. Todos se matam por um pedaço de papel ao invés de se preocupar em usar a sua própria capacidade-percebi ao longo de dois anos,que poucos tem um pedacinho de cérebro. As notas, essas que usam para nos avaliar, não passam de clichês... Queria ver dez de vocês passarem por um processo seletivo de surpresa, queria ver um de vocês em uma porra de discussão sobre qualquer assunto fútil. É tão chato não é? As aulas de filosofia, as quais eu graças à Deus não terei de sentir falta este ano, são tão 'inúteis' para a maioria. E sabe porque são inúteis? Porque todos se limitaram a pegar tudo pronto das outras pessoas e perderam a vontade de pensar. Vocês não pensam em nada a não ser em vocês mesmos. Além de sem caráter, o mundo é egoísta. Ao menos isso, os trinta puderam me ensinar. Não vou ser hipócrita e dizer que não aprecio as festas, viagens e todas as besteiras que vivemos em tanto tempo,e ainda vamos viver; mas de que valem esses momentos se quando mais é preciso, fica cada um por si?
Descobri em vocês um eu que eu não conhecia. E vocês também não conhecem, mas eu vou me dar ao trabalho de mostrá-los, meticulosamente, sentirão toda a diferença.

Nenhum comentário:

Postar um comentário