quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

O poeta.

     Sempre quis ser a musa inspiradora de um poeta. É nas palavras e na intensidade delas que a gente reconhece a verdadeira paixão. O poeta não é como o homem comum, ele não tem medo de sentir. Ao contrário, para ele o que vale é o sentimento em toda a sua intensidade.
      O poeta não tem medo da dor. Ora, como poderia? É dessas dores mais insuportáveis que surgem os mais belos poemas. Também não teme o amor. É ele que faz a ponta da caneta tocar o papel. O poeta, o singelo escritor... Não tem medo de mostrar ao mundo a beleza de sua amada. Mas sempre teme que ela nunca leia seu poema. Ou que ela não entenda as entrelinhas.
     Sempre quis ser a musa inspiradora de um poeta. Será que já fui e nunca soube? A meus “musos” inspiradores vai o recado: Vocês sempre saberão. Porque o poeta sabe tudo, menos ser discreto quando usa as palavras. Talvez não vá direto ao ponto, mas está sempre lá, aquele nome, escancarado nas entrelinhas. 

Um comentário: